PALAVRA DE DEUS

POR: Manuel Venade Martins (Pastor Evangélico)

E, tornando em si disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti. Já não sou digno de ser chamado teu filho; faz-me como a um destes teus jornaleiros. E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se ao seu pescoço e o beijou. (Lucas 15: 17-20)

INTRODUÇÃO

O tempo aceitável de crer no Senhor Jesus, sempre está no presente, porque o amanhã não nos pertence, conforme se lê: Não endureçais os vossos corações como em Media, e como na tentação do deserto. (Salmo 95:8)

Se estás lendo estas palavras com uma santa convicção, crê de todo o coração, que esta palavra veio hoje ao teu encontro para ti, dando-se assim o início ao novo nascimento, convertendo-se a Cristo, aceitando-O como seu único e suficiente Salvador pessoal. Uma nova luz está a nascer dentro de ti, essa é a presença do Espírito Santo em teu ser.

Na realidade, se houver em ti uma decisão genuína em teu coração, deves de saber que o Espírito Santo jamais te abandonará, para te ajudar a cumprir o voto que acabas de fazer a Cristo Jesus.

COMENTÁRIO

DECISÃO: VOLTAR A DEUS

O filho pródigo, cercado de porcos e faminto, sentiu vergonha de sua condição de um escravo, sofrendo, sem dúvida, o opróbrio de seu pecado. Degradado, reduzido a uma servidão fora do habitual, revolta-lho humano, sob a maldição do castigo, cuidar de porcos, ele é ainda uma personalidade que tem uma vontade digna, e quer reerguer-se, conforme disse: Levantar-me-ei. É a resolução feita por um vencido, arrasado pelo agravamento do pecado. Sua condição é do fracassado abatido, num país longínquo, vale dizer, a terra do pecado. Estava espiritualmente perdido, mas caindo em si mesmo, percebeu a degradação e miséria em que se encontrava, vencido, castigado e fustigado, pelo pecado: a vontade reage à decadente condição e, lançando um olhar aos porcos de que cuidava, resolve abandonar aquela maneira de vida, e voltar ao doce lar paterno, que outrora usufruía.

E volta dos erros e da maldade ao lar da bem-aventurança, certo de que não será repudiado pela indiferença ou reprovação, mas bem-vindo pela graça da reintegração do amor. Em sua tragédia há mais do que sentimento de culpa. Por muito tempo, ele resistia à chamada de Deus através da pregação do evangelho sobre ele, para retornar ao lar, mas estava com vergonha. Ele, de facto, tinha vergonha de si mesmo, mas a vergonha foi vencida, pela presença de Deus, que atuou como um meio de contribuir pró arrependimento, lacerando a sua alma transviada, o seu valor está no modo como ele tratou o seu tremendo desgosto consigo próprio, e com seu coração despedaçado.

Ouçamos a narração importantíssima: Caindo em si, disse: Quantos jornaleiros do meu pai têm pão com fartura e eu pereço de fome. Levantar-me-ei e irei ter com meu pai. Novo alumiar apareceu em sua vida, ergueu-se e marchou para diante. O arrependimento é mudança de mente. Erramos, os pregadores quando apresentamos só duas classes de pessoas: as penitentes e impenitentes, há outras ainda, como exemplo: Os orgulhosos, os auto satisfeitos, como o irmão mais velho, os idólatras, os cruéis, os auto reprovados, os rigorosos, consigo mesmo, os adultérios.

No entanto há uma outra classe, como o filho pródigo, que se odeiam uns aos outros, mas é por sua falta, mas se reconhecerem, devem tomar uma decisão, e deixar de lado o sentimento de vergonha, que é um dos maiores obstáculos e experiência de suas vidas e, mesmo estando a trabalhar com suínos, tomou uma decisão, e disse: Levantar-me-ei e irei.

O filho pródigo volta, não como foi, rico, mimado e invejado: Mas, magro, esqueleto, a mancar, desgrenhado, olhos em chamas, arrasado, um farrapo humano. A sua resolução é tomada no intuito do desespero e num momento de ponderação e lucidez espiritual. Mas, no final, chegou a grande decisão: Levantar-me-ei e irei ter com meu pai.

Caro amigo: Não desperdices as experiências sinistradas, devastadoras e até muito próximas, acidentalmente, que estão acontecendo na tua vida degradada; aproveita a lição, mas terás de ser corajoso e valente. Porque o Altíssimo Deus, quer recompor a falha moral, e transformar a tua vida em bem positivo. Que Deus te ajude e abençoe. (MVM)

< Voltar