A PALAVRA DE DEUS

POR: Manuel Venade Martins (pastor)

E, como Moisés levantou a serpente no deserto, assim importa que o Filho do Homem seja levantado, para que todo aquele que nele cré não pereça, mas tenha a vida eterna. Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigénito, para que todo aquele que nele cré não pereça, mas tenha a vida eterna. (João 3:14-16)

INTRODUÇÃO

Olhemos o que o rei Salomão diz. O ódio excita contendas, mas o amor, cobre todas as transgressões. (Provérbios 10:12) Esse é o segredo de uma vida vitoriosa, no meio do seu próprio lar e família restante, na sua vida quotidiana, no trabalho, nas lideranças sociais e lugares que por sinal possam estar em destaque na chefia oficial. Questione-se a si mesmo. Sou eu uma pessoa que vivendo pratico o amor à volta de mim? Se a resposta for não, que rumo devo tomar para mudar esta situação? Quem me ajudará? Se seus amigos ou indivíduos que se relacionam consigo, não podem ou não querem uma boa relação, como posso ser útil?

Eu conheço alguém que o quer ajudar, apesar de todas as circunstâncias, que à sua volta existem, afetando seu amor ao próximo. Esse alguém é o Senhor Jesus, conforme se lê. Ninguém tem maior amor do que este, de dar alguém a sua vida pelos amigos. (João 15:13)

COMENTÁRIO
O SENHOR JESUS TE AMA

Os tempos agora são outros. Existe ainda hoje, contudo, quem tenha necessidade da tradição para tentar justificar doutrinas que não podem ser justificadas pela Bíblia; havendo também alguns que consideram a Bíblia incompleta, como guia, colocando os seus manuais acima das Escrituras Sagradas. Mas para os cristãos verdadeiros, para as testemunhas fiéis do Senhor Jesus, as Escrituras do Velho e do Novo Testamento são a Palavra de Deus, e a única regra de fé, de moral, e de conduta. Nós não possuímos nenhum outro livro de doutrina com autoridade sobre as nossas almas. E quando temos debaixo dos olhos uma Bíblia aberta, sabemos que não são palavras humanas que nela lemos, mas sim palavras divinas.

No texto sagrado, no início podemos ler esse importantíssimo versículo que todos nós, os crentes, conhecemos e sabemos bem, conforme se lê: Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu filho unigénito, etc. (v:16). Alguém disse um dia que, se todas as Bíblias que existem no mundo fossem queimadas e o fogo apenas poupasse este versículo, estariam salvos os da religião cristã. O insigne reformador Lutero considerou o referido versículo, e com razão, a Bíblia em miniatura. De todas as palavras nele compreendidas, as cinco primeiras (Porque Deus amou o mundo) são, porventura, as mais importantes. O amor de que falam e essa soberana compaixão e misericórdia profunda com que Deus vê, não só o pequeno rebanho que se salvara, mas também toda a humanidade, sem excetuar pecador algum. Ele sente, para com todos os homens que criou, uma piedade e uma compaixão incalculável Deus aborreceu o pecado, é certo; porem, ama as almas.

O autor do quarto Evangelho, o apostolo João, é o escritor sagrado a quem foi dada a sabedoria para nos deixar estas admiráveis definições da Divindade: Deus é Espírito, Deus é Luz, Deus é Amor. O Deus das Escrituras, que amou o mundo, não é um deus qualquer, feito de ouro, de prata, de bronze, de pedra ou de madeira. E o Deus único, o Deus que fez os Céus e a terra pelo seu poder, que estabeleceu o mundo por sua sabedoria, e que com a sua inteligência estabeleceu os céus. ( João 10:12)

A morte de Jesus foi determinada, não pela vontade humana, mas pelo amor de Deus que deu o Seu Filho único, em sacrifício pelo mundo; sacrifício esse ao alcance de todos no seu universo. E, agora, o homem sujeito á condenação por causa do pecado, poderá receber vida eterna e restauração, crendo, aceitando, recebendo como único Salvador o Senhor Jesus, que foi levantado entre os Céus e a Terra. Aqueles, todavia, que desprezam a salvação, que não colocam a sua confiança no ato redentor, já estão condenados. Morrerão nos seus pecados, a Palavra de Deus o diz: A separação, entre os que aceitam o perdão divino e os que o rejeitam, é inevitável. Estes últimos condenam-se a si mesmos. E a responsabilidade pela sua auto-condenação não pode ser atribuída ao Salvador do mundo. Se Cristo veio á Terra para quem crê n'Ele não pereça, como será com aqueles que recusam o Seu presente de vida poderão evitar o castigo eterno? A escritura Sagrada não sugere em lugar algum que todos serão salvos, quer queiram ou não. Avisa, contudo, que quem virar as costas á salvação de Deus, será privado dela para sempre. Porém, para aqueles que confiam em Jesus não há condenação. O crente em Cristo não entra em juízo pelos seus pecados, nem agora, nem no futuro. Aleluia!

O carcereiro de Fìlípos, cidade da Macedónia, perguntou ao apóstolo Paulo, assim: Que é necessário que eu faça para me salvar? E a resposta foi a seguinte: Crê no Senhor Jesus Cristo e serás salvo, tu e a tua casa. (Atos 16:31) A salvação não depende do batismo que administram quando rezam pelas crianças do peito. O batismo não nos torna cristãos. A salvação depende essencialmente de se crer no Senhor Jesus e aceitá-lo como Seu salvador pessoal. É tudo quanto é essencial para obter a salvação.

Prendo leitor: Qual vai ser a sua decisão? Aceita ou rejeita tão grande salvação, que o Senhor consumou na Cruz do Calvário! Creia em Jesus, entregue-lhe a sua vida, e terá a eterna salvação. Creia agora em Jesus Cristo, porque amanhã pode ser tarde. demasiado tarde para se salvar! Se hoje ouvir a voz do Senhor a chamá-lo, não endureça o seu coração. Ámen.



< Voltar