PALAVRA DE DEUS

POR: Manuel Venade Martins (Pastor Evangélico)

E, tendo nascido Jesus em Belém de Judeia, no tempo do rei Herodes, eis que uns magos vieram do oriente a Jerusalém. Dizendo: Onde está aquele que é nascido rei dos judeus? Porque vimos a sua estrela no oriente, e viemos a adorá-lo (Mateus 2:1-2).

INTRODUÇÃO

O Salmista profetizou sobre Jesus assim: O Senhor se assentou sobre o dilúvio; o Senhor se assenta como Rei, perpetuamente (Salmo 29:10). Falou ele inspirado pelo Espíritos Santo que depois de vencer a sua batalha, com o próprio inimigo (diabo) venceria e retornaria a se assentar no seu trono eternamente. Confirmado está também noutra Escritura assim: Levantai-vos ó portas as vossas cabeças. Levantai-vos ó entradas eternas, e entrará o Rei da Glória.

As Escrituras confirmam que Jesus subiu aos Céus e assentou-se à direita do Pai (Marcos 16:19), cumprindo-se, na íntegra as Escrituras, no dia da Ascensão de Jesus acima de todos os Céus, ao seu lugar eterno, à direita do Pai.

Brevemente virá ao mundo, mas como Rei buscar a sua igreja que Ele comprou com seu próprio sangue no Calvário. Isto é, como Rei da Glória; foi como alguém sai-se para uma batalha militar, e no final regressa-se vitorioso com a bandeira nas mãos.

COMENTÁRIO
JESUS É O SENHOR E REI (NATAL)

Verificamos através de todas as Escrituras, que Ele é o Rei, o Senhor de todas as coisas, muito embora nascesse em condições bastante humildes, numa manjedoura. Perguntaram os magos que tinham vindo do Oriente distante, onde está aquele que é nascido Rei dos Judeus? Eles sabiam ser Jesus realmente o Rei, o que aliás também se confirma pelas ofertas que lhe fizeram, uma das quais em ouro, símbolo da realeza.

Ao longo da Sua carreira neste mundo, o Senhor Jesus Cristo teve várias oportunidades de Se fazer aclamar Rei de Israel, o que evitou, entre outras razões, devido à Sua humildade, e conhecedor dos pensamentos humanos, teve de retirar-se várias vezes para não ser aclamado pelo povo, em especial depois de executar algumas maravilhas como a da multiplicação dos pães. Quando os discípulos viram Jesus repreender o vento e o mar, e estes aquietaram-se de imediato, ficaram com a certeza absoluta de estarem na presença de alguém muito importante. Mas quem é este que até o vento e o mar lhe obedecem? (Marcos 4:41). Perguntaram admirados: E eles que já haviam assistido a algumas curas executadas pelo Divino Mestre, ficaram surpreendidos, se ainda fosse alguma pessoa, agora o vento e o mar! Isto são umas coisas que não podiam compreender. Mas Jesus como Rei e Senhor do Universo, apenas ordenava, e as forças da Natureza obedeciam. Caminhando sobre as ondas do mar da Galileia demonstrou que era na realidade o Senhor e Criador do Universo.

As Boas Novas de Salvação eram anunciadas com amor e firmeza. As pessoas estavam, todavia, mais inclinadas a valorizar muitas outras coisas, entre as quais os Seus familiares. Claro que o Divino Mestre sempre esclarecia: Antes, bem-aventurados os que ouvem a Palavra de Deus e a guardam. Citou por exemplo: Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a executam (Lucas 8:21).

Este maravilhoso Senhor que perdoa pecados, assume-se como Rei da eternidade no Monte da transfiguração onde o Seu esplendor e glória transparecem diante dos apóstolos Pedro, João, e Tiago.

Interrogado por Pilatos, se era realmente rei, respondeu: Tu dizes que eu sou Rei. Eu para isso nasci, e para isso vim ao mundo, a fim de dar testemunho da verdade (João 18:37). Isto apesar do esclarecimento posterior que o Seu reino não era deste mundo, mas sim um reino muito maior e eterno! Até mesmo na cruz, onde morreu para resgatar o ser humano da condenação eterna, Foi colocado um letreiro escrito nas três línguas mais conhecidas na época: Jesus Nazareno, Rei dos Judeus (João 19:19). E assim, de modo bastante humilde, Jesus nasceu e morreu como um verdadeiro Rei.

Depois Ele ressuscitou dos mortos, ficando o Seu túmulo vazio definitivamente, é esta a grande diferença que o distingue de todos os dirigentes políticos e religiosos. Cristo Jesus é realmente o Rei do Universo e terá de ser reconhecido como tal, se não nesta vida, conforme se lê: Porque todo o joelho se há de dobrar na Sua presença, e também todos terão de o reconhecer que Jesus é o Senhor (Filipenses 2:10).

Aconselho o leitor a aceitar a Jesus como seu único e suficiente Salvador, agora mesmo, dobrando os seus joelhos de livre vontade. Amém. (MVM)



< Voltar